segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Você sabia que o convênio médico paga sua cirurgia bariátrica?

Aproveite que o convênio paga a sua cirurgia bariátrica e invista em um pós-operatório eficiente. O Dr. Gabriel planeja a sua alimentação, buscando a reeducação alimentar. Evite o reganho de peso, agende a sua consulta!


Receita Pós-Bariátrica: Salada Verão

A salada verão é leve e refrescante, ideal para os dias quentes e possui uma quantidade elevada de proteínas. As pessoas que realizaram a cirurgia bariátrica devem ingerir, em média, 60g de proteína por dia e, com esta receita, é possível consumir metade do ideal diário. Este prato, por conter frutas, também possui carboidratos e fibras, além de vitaminas e minerais. Além disso, pode ser utilizado como uma refeição completa no almoço ou no jantar.


Você conhece o Plasma de Argônio?

Após a cirurgia bariátrica alguns pacientes voltam a ganhar peso ou não conseguem emagrecer o tanto que desejam. Isso ocorre, principalmente, devido a dieta inapropriada, diminuição do gasto calórico associado a falta de atividades físicas ou por causa do aumento da anastomose do novo estômago. Caso seja detectado o último motivo, o paciente poderá optar pelo Plasma de Argônio. O tratamento consiste basicamente em uma “queimadura” na anastomose, formando uma cicatriz, o que dificulta a passagem do alimento do “novo estômago” ao intestino, aumentando a sensação de saciedade no paciente. O Plasma de Argônio é realizado por endoscopia e leva, em média, 15 a 20 minutos.


Vitamina A

Você sabia que a falta de vitamina A no organismo pode levar a cegueira? Fique atento!
A Vitamina A é uma vitamina lipossolúvel, essencial ao crescimento e desenvolvimento do ser humano. Atua também na manutenção da visão e no funcionamento adequado do sistema imunológico (defesa do organismo contra doenças, em especial as infecciosas). Mantém as mucosas saudáveis, ou seja, a cobertura interna do corpo que recobre alguns órgãos como nariz, garganta, boca, olhos, estômago e que também atuam como barreiras de proteção contra infecções.
Estudos mais recentes vêm mostrando que a Vitamina A age como antioxidante e combate os radicais livres que aceleram o envelhecimento e estão associados a algumas doenças. Porém, recomenda-se cautela no uso de vitamina A, mediante o uso de mega-doses, por exemplo, uma vez que, em excesso, ela também é prejudicial ao organismo.
A vitamina A pré-formada (retinol) pode ser classificada como "pronta para ser usada pelo organismo" e é encontrada em alimentos de origem animal: vísceras (principalmente fígado), gemas de ovos e leite integral e seus derivados (manteiga e queijo). Os vegetais são fontes de vitamina A sob a forma de carotenóides (precursores de vitamina), os quais no organismo se converterão em vitamina A. Em geral, frutas e legumes amarelos e alaranjados e vegetais verde-escuros são ricos em carotenóides: manga, mamão, cajá, caju maduro, goiaba vermelha, abóbora/jerimum, cenoura, acelga espinafre, chicória, couve e salsa. Alguns frutos de palmeira e seus óleos também são muito ricos em vitamina A: dendê, buriti, pequi, pupunha, tucumã.
No Brasil, a deficiência de vitamina A é um problema de saúde pública moderado, sobretudo, na Região Nordeste e em alguns locais da Região Sudeste e Norte. Foram observados níveis inadequados de vitamina A em 17,4% das crianças e 12,3% das mulheres em idade fértil. Em pacientes bariátricos foi encontrada uma prevalência de 11% de deficiência de vitamina A após um ano da cirurgia.
A deficiência de vitamina A pode levar à xeroftalmia, que é o nome genérico dado aos diversos sinais e sintomas oculares da hipovitaminose A. A forma clínica mais precoce da xeroftalmia é a cegueira noturna onde a pessoa não consegue boa adaptação visual em ambientes pouco iluminados. As manifestações mais acentuadas da xeroftalmia são a mancha de Bitot, normalmente localizada na parte exposta da conjuntiva, e a xerose. Nos estágios mais avançados, a córnea também está afetada constituindo a xerose corneal, caracterizada pela perda do brilho assumindo aspecto granular, e ulceração da córnea. A ulceração progressiva pode levar à necrose e destruição do globo ocular provocando a cegueira irreversível, o que é chamado de ceratomalácia. Infecções frequentes podem indicar carência, pois a falta de Vitamina A reduz a capacidade do organismo de se defender das doenças.
A deficiência pode ser causada pelo consumo insuficiente de alimentos que contêm gordura: o organismo humano necessita de uma quantidade de gordura proveniente dos alimentos para manter diversas funções essenciais ao seu bom funcionamento e pelo baixo consumo de alimentos fonte da vitamina. Esta também pode ser a causa em pacientes pós-cirúrgicos, pois passam a apresentar uma intolerância maior com alimentos que possuem gordura e pelo baixo volume de alimentos ingerido.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Receita Pós-Bariátrica: Salada de batata com iogurte e salmão

A salada de batata com iogurte e salmão possui proteínas, vitamina D e ômega-3, nutrientes importantes para a manutenção da saúde dos ossos e saúde cardiovascular. Além disso, o ômega-3 diminui o colesterol e possui função anti-inflamatória, essencial para pessoas pós-cirurgia. Esta salada contém também carboidratos e fibras, sendo assim um prato completo que pode substituir uma refeição.


quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Emagrecimento Eficiente

Independente do tipo de procedimento que você fez ou pretende fazer, o pós-operatório é o mais importante e com o Dr. Gabriel, você consegue os melhores resultados!

Invista em um tratamento nutricional diferenciado e emagreça de maneira saudável e eficaz. Acesse: www.gabrielcaironunes.com.br e agende a sua consulta!


segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Vitamina D


Você sabia que o sol é responsável por 80 a 90% da vitamina D que nosso corpo recebe?

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel, ou seja, para ser absorvida, é necessária a presença de lipídios, além de bile e suco pancreático. Após a absorção no intestino, ela é transportada através do sistema linfático até aos tecidos onde será armazenada.
Esta vitamina é essencial para manter saudável a estrutura do esqueleto e melhorar a absorção do cálcio. Além disto, também atua na imunidade e no controle da pressão arterial, de doenças cardiovasculares e do diabetes. A deficiência de vitamina D está associada à baixa exposição ao sol em pessoas que apresentam problemas na absorção de lipídeos e quando a dieta não é adequada.
Alguns alimentos, especialmente peixes, óleos de fígado de peixes e alimentos derivados do leite, são fontes de vitamina D. Dependendo da estação do ano, as concentrações de vitamina D nesses alimentos podem ser alteradas, sendo menores no inverno. Porém é o sol o responsável por 80 a 90% da vitamina que o corpo recebe.
Estima-se que a insuficiência de vitamina D acomete 1 bilhão de pessoas no mundo. A deficiência de vitamina D em pacientes obesos de pré-operatório de cirurgia bariátrica varia de 54 a 80%. Em pacientes pós-cirúrgicos observou-se deficiência de vitamina D em 70% deles.
A deficiência grave pode causar osteomalácia - condição caracterizada pela falha na mineralização da matriz orgânica do osso, resultando em ossos fracos, sensíveis à pressão, fraqueza nos músculos proximais e frequência de fraturas aumentada -. Em mulheres na menopausa a falta de vitamina D está associada ao aumento de casos de osteoporose, por conta da menor absorção do cálcio.
A necessidade diária de vitamina D muda conforme a idade e o sexo do indivíduo, e por isso é muito importante procurar um profissional que possa auxiliá-lo neste momento.
Com o passar dos anos a produção desta vitamina é reduzida, principalmente pela diminuição de tempo de exposição ao sol e por questões metabólicas da idade avançada, esta diminuição também ocorre em pessoas que vivem no ambiente urbano, porque passam muito tempo em locais fechados. Com esta diminuição podemos sentir alguns efeitos desta ausência de vitamina, como a diminuição da imunidade.


Receita Pós-Bariátrica: Salada Carolina

A Salada Carolina possui grande quantidade de fibras e, por isso, é capaz de gerar uma maior sensação de saciedade. As folhas, quando ingeridas em uma boa quantidade, auxiliam no bom funcionamento do intestino e diminuem a absorção de carboidratos simples. Além disso, o tomate possui licopeno, que se destaca pela forte ação antioxidante, ajuda a prevenir o câncer de próstata, problemas cardiovasculares e a controlar a pressão arterial. Este prato possui vitaminas e minerais, além de proteínas importantes para o paciente pós-bariátrica.


Vitamina C (Ácido Ascórbico)

Você sabia que a vitamina C é necessária para combater infecções e fortalecer o sistema imunológico?

A vitamina C, cujo nome técnico é ácido ascórbico, é uma vitamina hidrossolúvel, ou seja, é solúvel em água. Ela não pode ser sintetizada pelos seres humanos, sendo assim, a única maneira de obtê-la é pela alimentação.
A vitamina C é um poderoso antioxidante e combate a formação dos radicais livres. Ajuda as células do organismo a crescerem e permanecerem sadias - principalmente as células dos ossos, dentes, gengivas e dos vasos sanguíneos.
A vitamina C é necessária para combater infecções, atuar na absorção do ferro, reduzir o nível de triglicerídeos e de colesterol, além de fortalecer o sistema imunológico. Além disto, o ácido ascórbico desempenha papel essencial na síntese de colágeno funcionalmente ativo, portanto, é fundamental para a reparação de tecido conectivo e a cicatrização de feridas.
Alguns exemplos de alimentos fonte de vitamina C são pimentão doce, salsa, couve-flor, batatas, batatas doces, brócolis, couves de Bruxelas, morangos, goiaba, manga, kiwi, laranja, abacaxi, limão, maracujá, tangerina e melão. Porém a vitamina C é a mais frágil das vitaminas. É muito sensível à luz, à temperatura e ao oxigênio do ar, fazendo com que a quantidade de vitamina presente nestes alimentos diminua muito após as preparações.
Aproximadamente 20% dos adultos consomem menos de dois terços das contribuições aconselháveis. O risco de carência no adulto concerne 3% a 5% das mulheres e 8% a 12% dos homens. Pessoas com idade superior a 65 anos apresentam com maior frequência risco de deficiência, respectivamente, de 15% as mulheres e de 25% os homens. Alguns estudos sugerem que 50% dos pacientes obesos mórbidos já apresentam deficiência de ferro, tiamina (vitamina B1) e vitamina C antes da cirurgia bariátrica ter sido realizada.
A carência de vitamina C é responsável pelo escorbuto, no adulto, e pela doença de Barlow, em crianças. O escorbuto se manifesta através de sinais gerais, osteo-articulares e cutâneo-mucosos. Em casos mais graves o menor esforço resulta em taquicardia e dispnéia, e a morte pode ocorrer por parada cardíaca ou complicação infecciosa.
Além disso, a carência da vitamina C pode ser o resultado de vários fatores: diminuição dos aportes, diminuição de sua absorção, aumento das necessidades e aumento de sua eliminação. Em pacientes bariátricos a deficiência pode ocorrer, pois a vitamina C é absorvida em sua quase totalidade no intestino delgado.

Dr. Gabriel Na Mídia

A Revista 'The São Paulo Times', do portal R7, publicou uma notícia muito interessante, feita com o Dr. Gabriel, sobre o crescimento da cirurgia bariátrica e a importância dela no tratamento de doenças como hipertensão e diabetes tipo 2. Acesse o site e confira: http://bit.ly/1kKzTeI



terça-feira, 10 de novembro de 2015

Novembro Azul

Previna-se e esteja em dia com os seus exames!


quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Receita Pós Bariátrica: salada de brócolis com ovo e cebola

A salada de brócolis com ovo possui uma combinação de proteínas (presentes no ovo), que são nutrientes essenciais para a manutenção da massa magra. Já o brócolis possui minerais, como o cálcio, potássio, ferro, zinco e sódio e diversas vitaminas, como A, C, B1, B2, B6, K, além de a fibra alimentar. Esta é uma boa combinação de nutrientes para que ocorra uma dieta equilibrada e não haja deficiência de nenhum destes componentes.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Vitamina B12 (Cobalamina) - benefícios

Você sabia que a deficiência de Vitamina B12 é frequente após a cirurgia bariátrica? 
Conheça a sua importância para o organismo!

A cobalamina é uma vitamina hidrossolúvel e faz parte do grupo de vitaminas do Complexo B, sendo a única vitamina que o organismo consegue armazenar em grandes quantidades.
A vitamina B12 possui baixo percentual de absorção, sendo necessária a presença do fator intrínseco (glicoproteína indispensável à absorção da vitamina B12) e do ácido clorídrico para que as ligações peptídicas sejam quebradas. Com isso, a vitamina B12 pode ser absorvida no trato intestinal pelas células epiteliais do íleo terminal.
A cobalamina é essencial para o funcionamento adequado das células do organismo, especialmente as do trato gastrointestinal, tecido nervoso e medula óssea. Atua também no metabolismo de carboidratos, lipídeos e proteínas.
A vitamina B12 pode ser encontrada especialmente em alimentos de origem animal, como moluscos, leite, carnes, fígado e ovos. É uma vitamina sensível à luz, ácidos, bases e agentes oxidantes ou redutores, sendo assim o processamento e cozimento dos alimentos fontes podem ter perdas significativas de até 30%.
Em indivíduos pré-operatório a deficiência não possui alta prevalência, por esta ser uma vitamina que é armazenada por longos períodos no organismo. A deficiência de vitamina B12 tem sido frequentemente relatada após a cirurgia bariátrica, variando entre 12-75%.
As manifestações clínicas mais relacionadas à redução nos níveis sérico dessa vitamina são: anemia macrocítica, leucopenia, trombocitopenia, pancitopenia, glossite, parestesias e neuropatias irreversíveis.
Com a redução na produção gástrica de ácido clorídrico, não há a conversão de pepsinogênio em pepsina, a qual é necessária para a liberação de vitamina B12 presente em alimentos protéicos. Além disso, o fator intrínseco é produzido pelas células parietais do estômago. Quando não há a produção de fator intrínseco ou esta é insuficiente, como acontece com a redução do compartimento gástrico, não há absorção de vitamina B12 no íleo distal, dando origem a anemia perniciosa.

Receita Pós Bariátrica: salada de folhas verdes com grão de bico e nozes

Com esta salada, você mantém o consumo de fibras em dia. As folhas e a beterraba são essenciais para o bom funcionamento do intestino, principalmente quando ocorre uma diminuição no volume das refeições, como é o caso da cirurgia bariátrica. Este prato também é rico em proteínas, que estão presentes no grão-de-bico e auxiliam no bom funcionamento e manutenção do equilíbrio do organismo. Além disso, a beterraba também possui ferro e é fundamental principalmente para as mulheres durante a menstruação. Já as nozes são fonte de gordura monoinsaturada, que são lipídeos importantes para a manutenção da saúde cardiovascular.