terça-feira, 20 de maio de 2014

Nutricionista especialista em cirurgia bariatrica




Mitos sobre cirurgia bariatrica.  - retirado de www.sbcbm.org.br


Em um ano de pós-operatório, o paciente normalmente engorda.
Mito.
Na maioria dos casos, o ganho de peso ocorre quando o paciente não assume hábitos saudáveis, como a adoção de dieta menos calórica e mais nutritiva e a prática de exercícios físicos regulares.

Perde-se mais peso nos primeiros seis meses.
Verdade.
A perda mais significativa de peso ocorre nos primeiros seis meses. Daí a importância de o paciente seguir com disciplina as recomendações médicas nessa primeira etapa do pós-operatório.

A mulher pode engravidar no pós-operatório.Verdade.
A paciente é liberada para engravidar sem riscos após 15 meses de pós-operatório. Durante esse período, recomenda-se a anticoncepção. No entanto, os anticoncepcionais orais (pílulas) devem ser evitados.

Sempre é possível fazer a cirurgia videolaparoscópica.Verdade.
Somente em situações especiais não é possível realizar esse tipo de cirurgia. É o caso, por exemplo, de pessoas submetidas a cirurgias abdominais prévias.

A depressão é uma consequência comum para quem faz a cirurgia.Mito.
Não existe uma tendência. Se o paciente ficar deprimido, isso pode ocorrer devido a fatores desconhecidos, que devem ser investigados por psicólogo ou psiquiatra.

Há tendência à anemia no pós-operatório.Verdade.
De fato isso ocorre. Entre os pacientes, as mulheres têm maior tendência à anemia, por causa da menstruação, perda de ferro e pouca presença de carne vermelha na dieta. Essa situação pode ser minimizada com a ingestão de alimentos ricos em ferro, ou, se necessário, com a utilização de suplementos vitamínicos.

Depois da operação, é comum a intolerância a leite. Mito.
Normalmente não há reações adversas ao consumo de leite e derivados. Esses alimentos são, inclusive, recomendados, sobretudo para as mulheres, como fontes de cálcio.

O apoio da família e à família é indispensável. Verdade.
Deve-se prestar toda a assistência e orientação à família do paciente, oferecendo o máximo de informações solicitadas e, quando necessário, também consulta psicológica. Os novos hábitos a serem adotados pelo paciente devem ser compartilhados e estimulados por todos que convivem com ele.

A cirurgia causa problemas renais. Mito.
Não foi observada tendência a problemas renais.

O paciente sente muitas dores no primeiro mês do pós-operatório. Mito.
Normalmente, as dores se manifestam somente no primeiro dia do pós-operatório. Isso acontece porque o abdômen precisa ser inflado com gás carbônico na cirurgia por videolaparoscopia, para possibilitar a melhor manipulação dos órgãos internos. 

O paciente que sofre de gastrite pode ser operado. Verdade.
Não há restrição cirúrgica para paciente com gastrite.

Depois da cirurgia bariátrica, o paciente deve fazer cirurgia plástica corretiva. Mito.
Nem sempre é necessário fazer cirurgia plástica após o procedimento bariátrico. Cada caso deve ser avaliado criteriosamente pela equipe multidisciplinar responsável pelo tratamento.

Durante a videolaparoscopia, há situações em que é preciso converter a cirurgia em procedimento aberto. Verdade.
Algumas situações exigem que o cirurgião converta a videolaparoscopia em procedimento aberto. Essa decisão é baseada em critérios de segurança e só pode ser tomada durante o ato operatório.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Nutricionista especialista em cirurgia bariatrica em Sao Paulo.

Nutricionista especialista em cirurgia bariátrica.






A cirurgia bariátrica demanda um acompanhamento nutricional diefrenciado, pois sera adaptado para cada caso.  Isso por que a cirurgia  “deixa” um novo estomago bem diminuído e ainda encurta  o “trecho” de absorção de nutrientes, Por isso a alimentacao deve ser adaptada a cada caso.

Naturalmente nosso maior objetivo é proporcionar seu emagrecimento rápido, mas temos que respeitar o tamanho do novo estomago reduzido.

A idéia  é fazer você se acostumar a ingerir a quantidade e a consistência ideal de cada alimento, buscando a saciedade (satisfação), sem prejuízo nutricional ( desnutrição). 

Iremos adaptar a alimentacao ou dieta para o seu dia a dia( isso e bem diferente dos metodos que ja tentou antes da cirurgia) por isso o sucesso da perda de peso e duradouro.

Os estudos científicos mostram que a cirurgia bariátrica  com o acompanhamento nutricional causa em  média  perda  de peso 50% ou mais do seu peso total apos 2 anos da realização da técnica. 

Vários de nossos pacientes conseguiram perder o peso total que queriam, pois aceitaram e mantiveram o foco do tratamento, mas o melhor ainda esta por vir, muitos pacientes alem de conseguirem a perda de peso, também se livraram das famosas comorbidades ( doenças que a perda de peso ajuda a tratá-las) como diabetes, pressão alta, colesterol elevado, doenças ortopédicas, apneia do sono, depressão entre outras..

Para que você seja um paciente com boa perda de peso com melhora ou remissão das comorbidas e não apresente desnutrição é preciso manter o foco e não faltar nas consultas por toda a vida, se é esse seu objetivo, podemos ajudá-lo.





O papel do Nutricionista na prevenção da saúde.





A alimentacao e nutrição sao fundamentais para a prevenção e tratamento de doenças, alem de estar estritamente relacionada com os hábitos e o estilo de vida. E, é justamente as mudanças que ocorreram no estilo de vida da sociedade no último século que desencadeou a “explosão” dos casos de obesidade e excesso de peso. O excesso de peso é mais do que uma desordem estetica, representa risco para o desenvolvimento de diversas doenças e causa perdas sociais e econômicas.
A Organização Mundial da Saúde projetou, para o ano de 2015, 2,3 bilhões de pessoas com excesso de peso no mundo, sendo 700 milhões obesos. Essa projeção é baseada em estudos epidemiológicos que levam em conta o índice de massa corporal ( IMC ) mas quando levamos em consideração a gordura abdominal – mais prejudicial por ser causadora de desordens metabólicas – os índices podem ser ainda piores.
Em 2010, o Ministério da Saúde e o IBGE divulgaram dois grandes levantamentos sobre o excesso de peso e a obesidade no Brasil. O Vigitel Brasil 2009, que usa como metodologia para coleta de dados inquéritos telefônicos e abrange pessoas maiores de 18 anos; e a Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008 – 2009 (POF) que realiza as avaliações a partir dos 5 anos de idade. Nesses dois levantamentos, foi observado o aumento do ganho de peso e da obesidade em comparação com pesquisas anteriores.
Segundo o POF (2009), uma em cada três crianças de 5 a 9 anos de idade está acima do peso e, dentro desse grupo, 16,6% dos meninos e 11,8% das meninas são obesos. A região sudeste tem o maior índice de excesso de peso, chegando a 40,3% para os meninos e 38% para as meninas desta faixa etária. Entre os adolescentes (10 a 19 anos), o índice de obesidade está em 5,9% para o sexo masculino e 4% para o feminino, com o excesso de peso em 21,7% para o sexo masculino e 19,4% para o feminino.
Com relação à população maior de 20 anos, no período de 1974-75 a 2008-09, o excesso de peso triplicou entre os homens, saltando de 18,5% para 50,1% e, entre as mulheres, passou de 28,7% para 48%. O excesso de peso é maior entre os homens de maior renda e não apresentou variação entre as mulheres – a região sul foi aquela que apresentou os maiores índices de excesso de peso e de obesidade.
Dentro desses parâmetros desfavoráveis, o que a nutrição e a alimentação saudável é capaz de fazer para promover a composição corporal saudável? Os estudos mostram a atuação de alimentos termogênicos, antiinflamatórios e anti-oxidantes na prevenção e redução do ganho de peso. A gama de alimentos disponíveis é capaz de proporcionar uma alimentação saudável e saborosa, basta usarmos criatividade e técnicas dietéticas adequadas.
Estratégias nutricionais gerais para a prevenção do excesso de peso e obesidade:

Amamentacao exclusiva até os 6 meses de idade;
Fracionamento da dieta;
Consumo ótimo de frutas e hortaliças;
Consumo ótimo de cereais integrais e grãos;

Evitar alimentos ricos em gorduras saturadas: carnes gordas, manteigas, margarinas, molhos a base de creme de leite, chantilly;


Evitar o consumo de frituras/ preferir assados e grelhados;

Evitar alimentos industrializados processados: ricos em glutamato monossódico, conservantes artificiais e gorduras saturadas e trans.


Os “erros” alimentares mais comuns na dieta dos brasileiros são: a ingestão excessiva de açúcar, alimentos processados, sódio e gordura saturada; e a baixa ingestão de frutas, hortaliças e agua – isso somado a supervalorização do consumo de carnes. Desse modo, a educação nutricional se faz necessária como forma de conter o avanço do excesso de peso e obesidade na população brasileira.
Em tão pouco tempo (35 anos entre a primeira e última pesquisa POF), não houve mudanças no genoma humano que justifiquem a obesidade como doença predominantemente genética – a epidemia de obesidade está relacionada aos maus hábitos de vida, ou seja, alimentação inadequada e sedentarismo.

O papel do nutricionista é de extrema importância para reverter o avanço desta epidemia. Políticas públicas precisam ser pensadas e a sociedade civil deve cobrar providencias nesse sentido, tanto para promover educação nutricional obrigatória nas escolas, como para promover a atuação de nutricionista em centros de saúde e núcleos de atenção à saúde da família (NASF) – em número suficiente para trabalhar de forma personalizada e efetiva.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Nutricionista Especialista em Balão Gástrico




O balão gástrico ou balao intragastrico demanda um acompanhamento nutricional diferenciado para quem quer emagrecer usando esse artifício. Isso por que ele causa obstrução parcial da luz gástrica e você não aceitará qualquer alimento sobre ele, dando sintomas variados.
Naturalmente nosso objetivo maior é proporcionar seu emagrecimento rápido, mas temos que respeitar sua fisiologia gástrica com a presença do balão.


Então a idéia  é fazer você se acostumar a ingerir a quantidade e a consistência ideal de cada alimento, buscando a saciedade (satisfação), sem prejuízo nutricional. 

 O raciocínio é simples: queremos desequilibrar matematicamente o balanço calórico diário – aumentando seu gasto, diminuindo seu consumo calórico diário, propiciando assim perda de peso, com boa gratificação cerebral, ou seja, sem frustração alimentar.

Em nossa experiência, os pacientes que seguem o protocolo de tratamento nutricional , não  voltam a ganhar o peso que perdeu com facilidade – o famoso efeito “rebote”.

Os estudos clínicos mostram que o balão tem média de perda de 20% do seu peso total nos seis meses, dos quais 10% serão no primeiro mês. Certamente também o mês mais difícil, porém, gratificante.

Vários de nossos pacientes conseguiram até 30% do peso total, pois aceitaram e mantiveram o foco do tratamento. O inverso também é verdade. Temos muitos outros que não conseguiram 10% no tempo total de tratamento, pois não seguiram com fidelidade a proposta do balão.

O Dr. Gabriel Cairo foi o pioneiro em elaboração de materiais nutricionais para o balão gástrico, com mais de 3 mil pacientes atendidos com esse recurso para perda de peso, constantemente é chamado para ministrar treinamentos e aulas para outros profissionais que queiram aprender mais sobre o tratamento.


Não é nossa função obrigá-lo a realizar adequadamente o tratamento dietético, mas se você está disposto a isso, podemos ajudá-lo a conquistar mais essa vitoria em sua vida. 




Clínica Higienópolis
R. Mato Grosso, 306, cj. 1606.
Higienópolis - São Paulo-SP.
Telefone: (11) 2114-6446 / (11) 3255-0888

Clínica Novo Brooklin
Rua Alcides Ricardini Neves, 12. Cj. 801 - São Paulo-SP
Novo Broklin - São Paulo-SP.
Telefone: (11) 2638-2098 / 2638-7769

www.gabrielcaironunes.com.br