quarta-feira, 12 de junho de 2013

COMPLICAÇÕES NUTRICIONAIS APÓS CIRURGIA BARIATRICA.

Complicações ligadas a cirurgia bariátrica são frequentes, e as mesmas podem ser classificadas em precoce (até 30 dias de pós-operatório) e tardias ( anos apos a realização da cirurgia).

A maior parte dos pacientes que se submete a procedimentos que envolvem má-absorção ( bypass ou switch duodenal por exemplo ) desenvolve alguma deficiência nutricional. Por isso, é de grande importância a suplementação de vitaminas e minerais após o procedimento cirúrgico.

Complicação mais freqüentes.

Síndrome de Dumping
É uma complicação frequente da cirurgia do aparelho digestivo. Ela ocorre quando há um esvaziamento gástrico acelerado de alimentos hipercalóricos para o intestino delgado, levando a uma alta liberação de insulina na corrente sanguínea e, consequentemente, à hipoglicemia reativa, ocorrendo concomitantemente liberação de peptídeos intestinais que podem levar a dor abdominal e diarréia, no caso das cirurgias da obesidade isso ocorre pois o tamanho do estomago é reduzido a aproximadamente 50-200 ml.

Os primeiros sintomas do dumping são gastrintestinais e vasomotores (sonolência, náuseas, vômitos, diarréia, tremores e taquicardia).
Para evitar a ocorrência dessa síndrome, sugere-se evitar o consumo de alimentos hipercalóricos, gordurosos e açucarados, bem como introduzir o uso de fibras solúveis na dieta, pois as mesmas podem retardar o esvaziamento gástrico.


Anemia Nutricional

A anemia é uma complicação que tem sido freqüentemente descrita após a cirurgia bariátrica. Os fatores que contribuem para essa deficiência são: diminuição da ingestão de nutrientes, suplementação insuficiente e inadequada reserva corporal.

Pacientes submetidos à técnica bypass gástrico em Y de Roux são vulneráveis à má absorção de vitamina B12, tendo em vista a redução do tamanho do estômago e ao desvio do trato digestivo superior ( duodeno ) e, conseqüentemente, menor produção de fator intrínseco ( hormônio liberado na parte retirada do estomago que ajuda na absorção dos nutrientes).

A deficiência de ferro manifesta-se geralmente após seis meses de cirurgia. Já a deficiência de B12 pode aparecer já com alguns meses ou até dois anos após o procedimento cirúrgico.

Na ocorrência de anemia, recomenda-se uma dose de suplementos de ferro e administração parenteral ou muscular da vitamina B12 duas vezes ao ano ou em freqüências menores seguindo as dosagens no sangue.

A cirurgia bariátrica está relacionada com o desenvolvimento de algumas deficiências nutricionais que são previsíveis, preveníeis e tratáveis.

Alopecia( queda de cabelos)

No pós-operatório pode estar relacionada com três deficiências nutricionais: zinco, proteínas e ácidos graxos. Recomenda-se a suplementação com polivitamínicos e proteínas para evitar tal queda.

Desnutrição protéica

A  deficiência de proteínas pode ocorrer após o bypass gástrico em Y de Roux, porém é mais comum em procedimentos predominantemente disabsortivo( Cirurgia de switch duodenal). É necessário o consumo de 70g de proteína por dia durante a perda de peso para mulheres e 80g por dia para homens.



Doenças osteomalácicas ( ossos)

Osteoporose e osteomalácia são complicações potenciais da cirurgia bariátrica. A deficiência de vitamina D, que auxilia a absorção do cálcio, é a segunda complicação mais freqüente na cirurgia de redução de peso, mas também é bem documentada em pacientes que são obesos.

Reganho de peso

Um dos critérios de sucesso no tratamento cirúrgico da obesidade é a perda de pelo menos 50% do excesso de peso e manutenção dessa perda a longo prazo. Estudos monstram média de perda de peso de 70% até dois anos após o bypass gástrico em Y de Roux. Apesar dos bons resultados, outros estudos demonstram a ocorrênciade reganho de peso após dois anos do procedimento de até 15% dos pacientes podendo voltar a ter obesidade grau I.


Esse reganho ocorre provavelmente em razão da anatomia e das adaptações fisiológicas que acontecem ao longo do tempo, como a dilatação gástrica e maior capacidade de absorção intestinal. Dessa maneira, uma parte da saciedade precoce desencadeada pelo volume reduzido do estômago é perdida e a capacidade de absorção intestinal também aumenta com o tempo.

Outro fator importante relacionado ao reganho de peso é a presença e
 hábitos alimentares inadequados, como o consumo de líquidos altamente calóricos, de alimentos gordurosos e açucarados.

A adesão a um estilo de vida saudável (alimentação balanceada e prática de exercícios físicos) é fundamental para a manutenção do peso alcançado. Por esse motivo, é de grande importância que o paciente tenha um acompanhamento nutricional constante a fim de identificar eventuais reganhos de peso e garantir o sucesso da cirurgia por meio do tratamento dietético.

PARA EVITAR COMPLICAÇÕES RETORNE COM SEU NUTRICIONISTA AO MENOS 3 VEZES POR ANO.


Nenhum comentário:

Postar um comentário