quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Nutricionista especialista em Perda de peso e emagrecimento





Para quem deseja emagrecer de forma eficiente, ou seja, sem reganho de peso, o famoso “efeito rebote”é necessário uma modificação na rotina alimentar. Isso envolve consultas rotineiras para manter o foco e não “escorregar” quando houver os sabotadores de dieta no seu dia a dia.

Naturalmente nosso objetivo maior é proporcionar seu emagrecimento rápido, mas temos que respeitar sua fisiologia corporal. A idéia  é fazer você se acostumar a ingerir a quantidade ideal de cada alimento, buscando a saciedade (satisfação), sem prejuízo nutricional.  

 O raciocínio é simples: queremos desequilibrar matematicamente o balanço calórico diário – aumentando seu gasto, diminuindo seu consumo calórico diário, propiciando assim perda de peso, com boa gratificação cerebral, ou seja, sem frustração alimentar, para facilitar esse tratamento podemos disponibilizar alguns recursos liberados no Brasil, como fitoterapia ( formulas naturais para aumentar saciedade e gasto calórico), atividade física,  kit de dietas hipocalóricas, alem da experiência em alimentação para emagrecimento.

Em nossa experiência, os pacientes que seguem o protocolo de tratamento nutricional , não  voltam a ganhar o peso que perdeu com facilidade – por isso o nome – emagrecimento eficiente.

Possuímos pacientes que perderam todo o excesso de peso que queriam, mas para isso necessitamos de adesão aos retornos programados e foco
.


Se você quer emagrecer de forma eficiente, podemos ajudá-lo.




Gabriel Cairo Nunes
www.gabrielcaironunes.com.br

CONSULTÓRIOS - SÃO PAULO.

Higienópolis
Rua Mato Grosso, 306. Conjunto 1606.
Tel (11) 2114-6446 / 3255-7444 / 3255-0888

Brooklin  
Rua Alcides Ricardini Neves, 12. Conjunto 801.
Tel (11) 2638-2098 / 2638-7769 

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Nutricionista especialista em Plasma de argonio.

A aplicação com plasma de argônio demanda um acompanhamento nutricional diferenciado para quem quer re-emagrecer usando esse artifício. Isso por que ele causa obstrução parcial da luz gástrica e você não aceitará qualquer alimento, dando sintomas variados.
Naturalmente nosso objetivo maior é proporcionar seu re-emagrecimento rápido, mas temos que respeitar sua fisiologia gástrica, pois estará bem menor apos aplicação do argônio que quando a realização da gastroplastia.

A idéia  é fazer você se acostumar a ingerir a quantidade e a consistência ideal de cada alimento, buscando a saciedade (satisfação), sem prejuízo nutricional. 
 
A literatura cientifica mostra que os pacientes que fazem a cirurgia bariátrica e não voltam nos retornos são mais suscetíveis a ganhar peso, pois não mudaram seus hábitos alimentares, com grande experiência nesse assunto o Dr. Gabriel Cairo, poderá ajudá-lo elaborando junto com você seu plano alimentar, assim não será necessário seguir uma dieta e sim, uma alimentação que respeite suas preferências dietéticas.
O que precisamos entender antes da aplicação do argônio é o por que isso ocorreu e junto traçarmos seu novo plano alimentar – levando em conta a nova capacidade gástrica.
 O raciocínio é simples: queremos desequilibrar matematicamente o balanço calórico diário – aumentando seu gasto, diminuindo seu consumo calórico diário, propiciando assim perda de peso, com boa gratificação cerebral, ou seja, sem frustração alimentar.
Em nossa experiência, os pacientes que seguem o protocolo de tratamento nutricional , não  voltam a ganhar o que perdeu com facilidade – o famoso efeito “rebote”.

Para que você saiba se esse procedimento o ajudará a perder peso novamente o ideal seria passar em avaliação nutricional pré aplicação do plasma de argônio, assim iremos juntos entender o que aconteceu para o reganho de peso e juntos iremos traçar o melhor caminho para o re-emagrecimento. Para isso é necessário um exame que faremos no consultório para avaliar o quanto de calorias você gasta por dia, a quantidade de músculo que você possui e ainda saberemos o quanto de gordura corporal precisamos retirar nessa nova etapa.

WWW.GABRIELCAIRONUNES.COM.BR




Nutricionista especialista em cirurgia bariatrica.

Nutricionista especialista em cirurgia bariátrica.


A cirurgia bariátrica demanda um acompanhamento nutricional diferenciado.  Isso por que ela “deixa” um novo estomago bem diminuído e ainda encurta  o “trecho” de absorção de nutrientes, por isso os sintomas são variados.
Naturalmente nosso maior objetivo é proporcionar seu emagrecimento rápido, mas temos que respeitar sua fisiologia gástrica com o novo estomago reduzido.
A idéia  é fazer você se acostumar a ingerir a quantidade e a consistência ideal de cada alimento, buscando a saciedade (satisfação), sem prejuízo nutricional ( desnutrição). 
Os estudos científicos mostram que a cirurgia bariátrica  com o acompanhamento nutricional causa em  média  perda  de peso 50% ou mais do seu peso total apos 2 anos da realização da técnica. 
Vários de nossos pacientes conseguiram perder o peso total que queriam, pois aceitaram e mantiveram o foco do tratamento, mas o melhor ainda esta por vir, muitos pacientes alem de conseguirem a perda de peso, também se livraram das famosas comorbidades ( doenças que a perda de peso ajuda a tratá-las) como diabetes, pressão alta, colesterol elevado, doenças ortopédicas, apneia do sono, depressão entre outras..

Para que você seja um paciente com boa perda de peso com melhora ou remissão das comorbidas e não apresente desnutrição é preciso manter o foco e não faltar nas consultas por toda a vida, se é esse seu objetivo, podemos ajudá-lo.

www.gabrielcaironunes.com.br





Nutricionista especialista em balão Gastrico

Nutricionista especialista em Balão Gástrico.

O balão gástrico demanda um acompanhamento nutricional diferenciado para quem quer emagrecer usando esse artifício. Isso por que ele causa obstrução parcial da luz gástrica e você não aceitará qualquer alimento sobre ele, dando sintomas variados.
Naturalmente nosso objetivo maior é proporcionar seu emagrecimento rápido, mas temos que respeitar sua fisiologia gástrica com a presença do balão.
Então a idéia  é fazer você se acostumar a ingerir a quantidade e a consistência ideal de cada alimento, buscando a saciedade (satisfação), sem prejuízo nutricional. 
 O raciocínio é simples: queremos desequilibrar matematicamente o balanço calórico diário – aumentando seu gasto, diminuindo seu consumo calórico diário, propiciando assim perda de peso, com boa gratificação cerebral, ou seja, sem frustração alimentar.
Em nossa experiência, os pacientes que seguem o protocolo de tratamento nutricional , não  voltam a ganhar o peso que perdeu com facilidade – o famoso efeito “rebote”.
Os estudos clínicos mostram que o balão tem média de perda de 20% do seu peso total nos seis meses, dos quais 10% serão no primeiro mês. Certamente também o mês mais difícil, porém, gratificante.

Vários de nossos pacientes conseguiram até 30% do peso total, pois aceitaram e mantiveram o foco do tratamento. O inverso também é verdade. Temos muitos outros que não conseguiram 10% no tempo total de tratamento, pois não seguiram com fidelidade a proposta do balão.
O Dr. Gabriel Cairo foi o pioneiro em elaboração de materiais nutricionais para o balão gástrico, com mais de 2 mil pacientes atendidos com esse recurso para perda de peso, constantemente é chamado para ministrar treinamentos e aulas para outros profissionais que queiram aprender mais sobre o tratamento.

Não é nossa função obrigá-lo a realizar adequadamente o tratamento dietético, mas se você está disposto a isso, podemos ajudá-lo a conquistar mais essa vitoria em sua vida. 

Nutricionista especialista em Endobarrier




O EndoBarrier, consiste de um tubo de plástico com cerca de 60 centímetros de comprimento, que é colocado no intestino por endoscopia, logo apos o termino do estomago. Isso permite que o alimento ingerido não seja absorvido e com isso acontece a perda de peso.
Como o alimento não é absorvido o paciente também melhora o DIABETES, como se fosse a cirurgia de BY-PASS ( Cirurgia bariátrica).

O EndoBarrier foi aplicado experimentalmente em apenas quatro países: Estados Unidos, Holanda, Brasil e Chile.

O dispositivo é inserido através de uma endoscopia e é fixado por um sistema constituído por um fio-guia.

O procedimento de implante demora pouco mais de 20 minutos, sob anestesia geral, e alta hospitalar no dia seguinte. O dispositivo é mantido  durante um ano e é removido através de outra  endoscopia e a alta é no mesmo dia.
Como um procedimento endoscópico não requer incisões ou feridas no abdômen, como na cirurgia bariátrica.

















segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Reganho de peso apos cirurgia bariátrica ( plasma de argônio)


Re-emagrecer, sem cortes e com muita saciedade.

A aplicação com plasma de argônio demanda um acompanhamento nutricional diferenciado para quem quer re-emagrecer usando esse artifício. Isso por que ele causa obstrução parcial da luz gástrica e você não aceitará qualquer alimento, dando sintomas variados.

Naturalmente nosso objetivo maior é proporcionar seu re-emagrecimento rápido, mas temos que respeitar sua fisiologia gástrica, pois estará bem menor apos aplicação do argônio que quando a realização da gastroplastia.

A idéia  é fazer você se acostumar a ingerir a quantidade e a consistência ideal de cada alimento, buscando a saciedade (satisfação), sem prejuízo nutricional.  

A literatura cientifica mostra que os pacientes que fazem a cirurgia bariátrica e não voltam nos retornos são mais suscetíveis a ganhar peso, pois não mudaram seus hábitos alimentares, com grande experiência nesse assunto o Dr. Gabriel Cairo, poderá ajudá-lo elaborando junto com você seu plano alimentar, assim não será necessário seguir uma dieta e sim, uma alimentação que respeite suas preferências dietéticas.

O que precisamos entender antes da aplicação do argônio é o por que isso ocorreu e junto traçarmos seu novo plano alimentar – levando em conta a nova capacidade gástrica.

 O raciocínio é simples: queremos desequilibrar matematicamente o balanço calórico diário – aumentando seu gasto, diminuindo seu consumo calórico diário, propiciando assim perda de peso, com boa gratificação cerebral, ou seja, sem frustração alimentar.

Em nossa experiência, os pacientes que seguem o protocolo de tratamento nutricional , não  voltam a ganhar o que perdeu com facilidade – o famoso efeito “rebote”.



Para que você saiba se esse procedimento o ajudará a perder peso novamente o ideal seria passar em avaliação nutricional pré aplicação do plasma de argônio, assim iremos juntos entender o que aconteceu para o reganho de peso e juntos iremos traçar o melhor caminho para o re-emagrecimento. Para isso é necessário um exame que faremos no consultório para avaliar o quanto de calorias você gasta por dia, a quantidade de músculo que você possui e ainda saberemos o quanto de gordura corporal precisamos retirar nessa nova etapa.

WWW.GABRIELCAIRONUNES.COM.BR


segunda-feira, 28 de outubro de 2013

CÉREBRO “OBESO” PODE FRUSTRAR TENTATIVA DE EMAGRECER






Emagrecimento saudável: www.gabrielcaironunes.com.br

Estudo realizado em modelos animais mostra que uma dieta rica em gorduras e açúcar refinado altera estruturas cerebrais que, por sua
 vez, levam ao exagero do consumo destes alimentos.

“É um ciclo vicioso que pode explicar porque a obesidade é tão difícil de ser contornada”, diz Terry Davidson, autor do estudo publicado no periódico Physiology & Behavior.

Obesidade e memória

O estudo teve foco sobre o hipocampo – parte do cérebro responsável pela memória e aprendizado. Os ratos foram treinados para um teste de habilidades de memória e, em seguida, divididos em dois grupos: um que teria acesso livre para uma ração rica em gordura saturada e outro grupo que consumiu uma ração restrita de baixo teor de gordura.
Quando ambos os grupos tiveram de refazer o teste, os ratos que se tornaram obesos apresentaram mais dificuldades para realizar a tarefa do que os ratos com peso considerado saudável. A equipe examinou então as barreiras sanguíneas do cérebro – ou barreira hematoencefálica, uma rede de de vasos sanguíneos que protegem o cérebro – injetando um corante na corrente sanguínea dos animais. Nos ratos obesos, uma quantidade grande corante atravessou livremente esta barreira, o que não aconteceu nos ratos de peso saudável, mostrando que nos ratos obesos estas barreiras foram comprometidas.

Círculo vicioso

Davidson explica que o hipocampo é também responsável pela supressão de memórias. Sendo assim, se estes resultados fossem aplicados às pessoas, isso explicaria porque uma pessoa obesa não consegue consumir o que seria considerado uma porção razoável – a dieta rica em gordura saturada e açúcar refinado afetaria a capacidade do hipocampo de suprimir pensamentos sobre estes alimentos, fazendo com que a pessoa consuma-os exageradamente.

“O que eu acho que está acontecendo é um ciclo vicioso de obesidade e declínio cognitivo”, diz. “A idéia é, você consome uma dieta de alta caloria e isso faz com que você coma demais, pois este sistema inibitório é afetado progressivamente. E, infelizmente, isto afeta também outros tipos de interferência do pensamento.”

Os resultados deste estudo são compatíveis com outros que encontraram uma ligação entre a obesidade humana na meia idade e uma maior probabilidade para desenvolver a doença de Alzheimer e outras demências cognitivas anos mais tarde.

“Estamos tentando descobrir onde está esta relação. Temos evidências de que o consumo excessivo de uma dieta rica em gordura afeta ou altera a barreira hematoencefálica”, diz. Segundo Davidson, estudos futuros devem ter foco nas substâncias que não deveriam estar chegando ao cérebro e, por causa deste “defeito” estão começando a chegar. “Você começa a jogar coisas no cérebro que não pertencem a ele e faz sentido que as funções cerebrais sejam afetadas”, finaliza.

RESTRIÇÃO DE CALORIAS NÃO PROLONGA EXPECTATIVA DE VIDA, MAS MELHORA SAÚDE




Emagrecimento saudável:
 www.gabrielcaironunes.com.br

Em pesquisa que começou há 23 anos com macacos, dietas de restrição calórica trouxeram benefícios ao metabolism
o dos animais

Dietas que restringem calorias não aumentam a expectativa de vida, mas melhoram a saúde do usuário. A conclusão é de um estudo feito por cientistas do National Institute on Aging, em Baltimore, nos Estados Unidos, e publicado nesta quarta-feira (29) no periódico científico Nature.

A restrição calórica é a prática de limitar o consumo de calorias diárias entre 10% e 40% de uma dieta normal, mas com os mesmos nutrientes. Estudos anteriores, realizados em roedores, comprovaram que seguir a prática aumenta a saúde e retarda o envelhecimento.

A nova pesquisa, iniciada há 23 anos em macacos, concorda em parte com as informações. Os cientistas descobriram que a dieta causou, sim, efeitos positivos na saúde dos animais. Por outro lado, não teve capacidade de prolongar a expectativa de vida.

Os pesquisadores, coordenados pelo biólogo espanhol Rafael de Cabo, reduziram em 30% a ingestão de calorias de macacos-rhesus (espécie Macaca mulatta) e avaliaram os efeitos desta dieta em indivíduos de diversas idades e sexo.

O estudo concluiu que a expectativa de vida dos animais - que em média é de 27 anos - não aumentou nem entre os macacos mais velhos, que tinham de 16 a 23 anos de idade no momento em que iniciaram a dieta, nem entre os mais jovens, menores de 14 anos quando o experimento começou.

Por outro lado, os pesquisadores detectaram que a restrição calórica trouxe benefícios ao metabolismo dos macacos. "Observamos uma melhora geral em parâmetros associados às doenças típicas do envelhecimento, como as enfermidades metabólicas (diabetes e obesidade), cardiovasculares e o câncer", disse Rafael de Cabo.

Os macacos que comeram 30% menos de calorias apresentaram níveis mais baixos de triglicéridios, colesterol e glicose, especialmente entre os machos, assim como uma incidência significativamente menor de câncer entre os primatas mais jovens.

A pesquisa, que segundo o biólogo poderia se prolongar por mais duas décadas, terá como objetivo agora investigar os efeitos metabólicos e moleculares da restrição calórica sobre o organismo destes macacos.
"A resposta é muito parecida a outras respostas de estresse, por isso poderíamos considerar a restrição calórica como um estresse metabólico, que causa ajustes globais no organismo, e que quando se mantém por um longo período de tempo provoca benefícios profundos na saúde", afirmou Rafael.

O cientista espera ainda comparar seus resultados com os obtidos por uma outra pesquisa também realizada com macacos e iniciada nos anos 1980. O estudo, do Wisconsin National Primatas Research Center, nos EUA, defende a capacidade desta dieta de prolongar a vida.

EXERCÍCIOS MODERADOS ELEVAM AUTOESTIMA DE JOVENS COM SOBREPESo










Emagrecimento saudável: www.gabrielcaironunes.com.br

A obesidade, em qualquer idade, esta associada a uma série de doenças – de diabetes e fadiga crônica a complicações cardíacas. Mas não é só isso. Jovens que lutam contra a balança sofrem mais de insatisfação com a própria imagem corporal, alienação social e baixa autoestima.

Gary Goldfield, psicólogo da Universidade de Ottawa, no Canadá, tem estudado como os exercícios podem impactar psicologicamente adolescentes com sobrepeso e mostra em novo estudo que praticar exercícios, mesmo moderados, afetam positivamente estes fatores.

O estudo, publicado no periódico Journal of Pediatric Psychology, envolveu 30 adolescentes com idades que variaram dos 12 aos 17 anos. Eles foram randomizados em duas sessões semanais realizadas em laboratório de bicicleta indoor – com música à sua escolha – ou um jogo interativo de vídeo game, durante 60 minutos, podendo fazer uma pausa quando quisessem.

Após dez semanas, as diferenças físicas entre os grupos de exercícios não foram significativas, mas em ambos os grupos os adolescentes relataram melhorias na percepção de competência escolar, competência social e vários marcadores de imagem corporal, incluindo estima pela aparência e peso. Estas melhorias induzidas pelo exercício com relação à imagem corporal, explica Goldfield, podem ajudar a proteger contra provocações, discriminação e preconceito direcionado muitas vezes à crianças e jovens com obesidade, e que podem ter efeitos devastadores sobre o bem estar emocional.

“Estamos falando em benefícios psicológicos como resultado de uma pequena quantidade de exercício aeróbico, não uma mudança de peso ou de gordura corporal”, diz o autor. “Se você pode melhorar a sua aptidão física, ainda que minimamente, isto pode ajudar a melhorar a sua saúde mental. Ao ensinar as crianças a se concentrarem em comportamentos saudáveis, eles estarão se concentrando em algo que podem controlar”, conclui.
 

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Ganho de peso após cirurgia bariatrica.





Devido ao grande crescimento da obesidade nas últimas décadas, houve também um aumento nas cirurgias bariátricas (CB) realizadas para tratamento da obesidade com o objetivo de diminuir a morbi - mortalidade de longo prazo.

Atualmente a CB é indicada para tratamento de obesos mórbidos (IMC maior ou igual a 40 kg/m2)  ou quando o IMC está entre 35 e 39,9 kg/m2 associado a comorbidades,   que não respondem as terapêuticas tradicionais. A Cirurgia para obesidade é considerada o tratamento mais eficaz para a obesidade severa, gerando perdas médias de aproximadamente 35% do peso corporal inicial.

Porém após 18 a 24 meses da Cirurgia muitos desses pacientes voltam a engordar parcial ou totalmente.

Por que isso acontece com esses pacientes? Por que voltam a engordar?

Através de estudos realizados recentemente conseguimos esclarecer melhor essa relação e  responder as perguntas:
1-Pacientes com obesidade mórbida , antes da Cirurgia , podem apresentar Compulsão Alimentar (entre 25% até 56,7% segundo diferentes estudos e considerando diversos critérios diagnósticos).

2- Estudos de  seguimento de 1 ano pós-Cirurgia observaram que os pacientes com compulsão alimentar diagnosticada antes da Cirurgia  perdem peso  igual que outros sem esse transtorno, não interferindo nos resultados.
3- Porém estudos de seguimento mais longos encontraram que 25 a 30% dos pacientes submetidos a cirurgia bariátrica   recuperam o peso após 18 a 24 meses. Isso acontece porque aparecem distúrbios do comportamento alimentar frente à sensação subjetiva de falta de controle sobre a alimentação.

Pacientes submetidos a Cirurgia podem evoluir para vários distúrbios do comportamento alimentar tais como: Grazing,( comer pequenas quantidades de comida com grande frequência em longos períodos), síndrome alimentar noturna (SAN), TCAP( transtorno de compulsão alimentar periódica) , bulimia nervosa (BN),  beber quantidades importantes de líquidos, anorexia nervosa ( AN) ou até quadros parciais de AN, BN ou TCAP.

Sendo assim é fundamental observar o aparecimento de transtornos alimentares (TA)  após a Cirurgia para realizar o tratamento adequado e dessa forma garantir a manutenção do peso ou a perda de peso continuada .

Por essa razão é necessário  que o paciente compreenda e mantenha a freqüência orientada com a equipe multidisciplinar.

Para quem ganhou peso após a cirurgia, ainda existe uma forma de emagrecer - a aplicação de plasma de argônio.

Para saber se você é candidato a esse procedimento é necessário ser avaliado por um nutricionista experiente e assim o peso perdido será mais eficaz em ser mantido. 





quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Emagrecimento Adulto e infantil





Para quem deseja emagrecer de forma eficiente, ou seja, sem reganho de peso, o famoso “efeito rebote”é necessário que sua rotina seja transformada. Isso envolve consultas rotineiras para manter o foco e não “escorregar” quando houver os sabotadores de dieta no seu dia a dia.

Naturalmente nosso objetivo maior é proporcionar seu emagrecimento rápido, mas temos que respeitar sua fisiologia corporal. A idéia  é fazer você se acostumar a ingerir a quantidade ideal de cada alimento, buscando a saciedade (satisfação), sem prejuízo nutricional.  

 O raciocínio é simples: queremos desequilibrar matematicamente o balanço calórico diário – aumentando seu gasto, diminuindo seu consumo calórico diário, propiciando assim perda de peso, com boa gratificação cerebral, ou seja, sem frustração alimentar, para facilitar esse tratamento podemos disponibilizar alguns recursos liberados no Brasil, como fitoterapia ( formulas naturais para aumentar saciedade e gasto calórico), atividade física,  kit de dietas hipocalóricas, alem da experiência em alimentação para emagrecimento.

Em nossa experiência, os pacientes que seguem o protocolo de tratamento nutricional , não  voltam a ganhar o peso que perdeu com facilidade – por isso o nome – emagrecimento eficiente.

Possuímos pacientes que perderam todo o excesso de peso que queriam, mas para isso necessitamos de adesão aos retornos programados e foco
.

Se você quer emagrecer de forma eficiente, podemos ajudá-lo.




www.gabrielcaironunes.com.br

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Emagrecer com ajudar de atividade física.


No artigo “Como qualificar o emagrecimento por meio do exercício” - o qual sugiro a leitura antes deste - ressaltei a importância dos programas de treinamento visando emagrecimento, contemplando os quatro aspectos responsáveis pela perda de peso e de gordura por meio do exercício físico, ou seja: o gasto calórico total da sessão de treino, a mobilização total de gordura da sessão, o efeito EPOC da sessão e o aumento da taxa metabólica basal (TMB) imposto pelo programa. Assim, neste artigo, discutirei algumas estratégias para estruturação dos programas de treinamento, no sentido do respeito pleno a esses quatro aspectos.

Incialmente, parece óbvio, após o exposto no artigo acima citado, que um programa de treinamento voltado ao emagrecimento deve buscar, em algum momento, impor maiores intensidades aos exercícios, assim como, contemplar dois ou mais tipos de exercícios, sendo os exercícios de força, um componente obrigatório do programa. 

Nessa perspectiva, sugiro que, após um processo detalhado e criterioso de avaliação física (composição corporal, aptidão cardiorrespiratória, força muscular, flexibilidade e coordenações), o programa seja então, dividido em período básico e período específico. Portanto, como primeiro passo na estruturação do programa, deve-se valorizar o processo de avaliação, o qual deve ser iniciado com uma anamnese específica para investigar o perfil etiológico e clínico do indivíduo obeso, uma vez que não se pode encarar todos os sobrepesados e obesos de forma única. 

Assim, a identificação do tipo de obesidade, se endógena (causa interna, como um distúrbio hormonal) ou exógena (causa externa, normalmente balanço calórico positivo) é de importância capital para as expectativas de emagrecimento. Claramente, um obeso endógeno, que não tem sua obesidade determinada por excesso de ingestão calórica e baixo gasto calórico pela ausência de exercício, não irá obter os mesmos resultados de um indivíduo que ganhou peso por estabelecer um balanço calórico positivo nos últimos anos de sua vida (boa parte dos obesos endógenos, inclusive, já ingere poucas calorias no dia). Também, a identificação da distribuição da gordura e o potencial impacto do exercício sobre esses depósitos específicos (a famosa gordura nos braços das mulheres!), deve ser avaliada e ponderada no momento da definição das metas. 

Outro aspecto que considero crucial na anamnese do obeso é a identificação do comportamento motor geral do indivíduo, ou seja, a investigação do quanto esse indivíduo se movimenta espontaneamente ao longo do dia. Recomendo, para esse fim, a realização do que denomino de “Registro motor”, semelhante ao registro alimentar do nutricionista, por meio do qual o aluno relata todas as atividades motoras ao longo de um dia típico. Você verá que existem indivíduos que passam quase um dia inteiro sentados e deitados (assim não há como emagrecer!).

No tocante ao programa em si, o período básico deve ser voltado à melhora da capacidade de resistência de força, aumento do limiar anaeróbio e aumento do VO2máx, por meio dos exercícios dinâmicos e resistidos. Nos exercícios dinâmicos, sugiro a adoção do método contínuo variável (fartlek) e do método em circuito, com realização de exercícios que explorem de forma abrangente os diversos padrões de movimento, com o mesmo nível de estimulação e efeito cardiorrespiratório. 

Essa recomendação advém do fato de que muitos dos alunos obesos a presentam baixo nível de expressão das capacidades coordenativas (ver artigos “A importância da avaliação física” e “Caminhar não é tudo”), o que determina a necessidade de enriquecimento dessas capacidades, dada sua importância para a realização de uma infinidade de tarefas motoras cotidianas e de lazer. Isso significa realizar exercícios com maiores “desafios coordenativos”, como andar ou correr em zigue-zague, para trás, passando sobre cones, batendo bola, etc.

Em nossa experiência, temos visto maior prazer na realização desse tipo de exercício em relação aos treinos ortodoxos em esteira, bicicleta ou transport. Na utilização desses equipamentos, vale salientar que o clássico método fartlek (alternância constante das intensidades ao longo do período contínuo de treino) também se apresenta como ótima alternativa à monotonia dos treinos contínuos estáveis triviais, adaptando-o à adoção de intensidades desde sublimiares, limiares e ligeiramente acima do limiar anaeróbio individual. 

No exercício resistido, recomendo a utilização do método em circuito, com 8 a 12 exercícios para os grandes grupos musculares, com séries de 18 a 30 repetições e intensidades em torno de 40 a 60% 1RM, o que significa, ao final dessas séries, uma percepção de esforço de um pouco pesado a pesado. Nesse período, as metas de gasto calórico para cada sessão de treino estarão em torno de 200 a 300 Kcal, podendo chegar a 400 Kcal ao final do período.

Após esse período inicial de cerca de três meses, ou seja, no início do período específico, no qual o emagrecimento deve obrigatoriamente representar a grande busca, já é possível iniciar a adoção dos treinamentos intervalados (esteira, bicicleta, transport, pista, praça, etc.) com intensidades de zona 3 (entre o limiar anaeróbio e o limiar de compensação respiratória), com percepção de um pouco pesado a pesado, sem grandes riscos musculoesqueléticos, devido à melhora da força obtida até o momento. No entanto, recomendo que esses treinos sejam iniciados com uma a duas sessões na semana, sempre com respeito aos níveis de força do aluno e nunca na mesma sessão que os treinos mais intensos de força.

No exercício resistido, o método em circuito deve ser preferido mesmo nesse período, com alternância entre sessões de resistência muscular (treinos do período básico) e hipertrofia, nas quais os exercícios serão mantidos, porém, a intensidade será aumentada para cerca de 65 a 80% 1RM, com séries de 8 a 15 repetições, com percepção de esforço de pesado ao final das séries. Nesse período, com duração de 4 a 8 meses (dependendo do perfil inicial do aluno), as metas calóricas devem ficar em torno de 400 a 600 Kcal em cada sessão de treino, o que exige maiores intensidades relativas.

Finalmente, um aspecto que merece extrema atenção nos programas de emagrecimento para indivíduos com maus hábitos de prática esportiva, e que praticamente não tem sido contemplado nos programas convencionais, é a mudança do comportamento motor, a qual se alcança por meio da utilização dos exercícios acumulados, que consistem simplesmente, da realização de exercícios em curtos períodos de 1 a 5 ou 10 minutos ao longo do dia.

Essa prática acumulada é fundamental para o êxito do programa de emagrecimento, uma vez que possibilita o alcance das metas calóricas semanais (por volta de 2.500 a 3.000 Kcal), pois a maioria dos alunos não treina sistematicamente todos os dias ( e nem deve fazê-lo), além de proporcionar a agregação natural do exercício ao cotidiano desses indivíduos, tão hipocinéticos em função de suas culturas físico/motoras. Sempre costumo chamar a atenção para a importância dessa prática acumulada, no sentido de que oferece condições reais do aluno obeso, que por várias vezes iniciou um programa de exercícios e abandonou por total falta de afetividade com esse modelo convencional (e irá abandoná-lo novamente se for submetido a ele!), mudar seus hábitos motores de forma paulatina e natural, em seus ambientes cotidianos (naturais), como sua casa, seu local de trabalho, o supermercado, o shopping, etc.

Assim, procure recomendar, nos dias em que o aluno não treina regularmente, pequenas tarefas motoras, como ficar 1 minuto em pé no trabalho, sentar e levantar na cadeira por 15 a 20 vezes (1 minuto), andar no corredor por 1 minuto, dar uma volta no quarteirão antes de entrar em casa ao final do dia ou antes do almoço, subir a escada do shopping ao invés do elevador ou da escada rolante, subir um andar de escada ao chegar no trabalho, etc.

Aos poucos, após um início de 5 minutos dessas tarefas por dia, progrida cautelosamente até 30 a 40 minutos acumulados, ao longo de um período de 4 a 5 meses. Ao final, naturalmente, esse indivíduo terá mudado seu comportamento motor e estará, em função de seu novo nível de condicionamento físico, gastando, nessas atividades, cerca de 250 a 300 Kcal/dia, totalizando, portanto, cerca de 1.000 Kcal em exercícios espontâneos, as quais serão somadas às Kcal das sessões de treinamento regulares (2 a 3 na semana).

Vale a ressalva para os alunos e para os profissionais: evite retomar rotinas de treino que resultaram em desistência em experiências anteriores. Acumule exercícios ao longo do dia e promova, paulatinamente, a mudança dos hábitos motores. Esse é um aspecto decisivo na perda de peso e na manutenção do peso perdido, assim como a realização de sessões mais curtas com maiores intensidades.

Bom treinos a todos!


Prof. Dtd. Cássio Mascarenhas Robert Pires
Graduado em Educação Física (FESC – São Carlos), Pós-graduado em Treinamento Desportivo (UNIMEP - Piracicaba), Pós-graduado em Ciências do Esporte (UNICAMP – Campinas), Mestre em Ciências Fisiológicas (UFSCar – São Carlos), Doutorando em Ciências Nutricionais (UNESP - Araraquara), Docente da UNIARA (Araraquara) e MOURA  LACERDA (Ribeirão Preto), Docente em cursos de Pós-graduação Lato-sensu em todo o país e Diretor do CEFEMA (Centro de Estudos em Fisiologia do Exercício, Musculação e Avaliação Física – Araraquara, SP).
Contato: cefema2010@hotmail.com / cassio@cefema.com.br