segunda-feira, 21 de março de 2011

OBESIDADE INFANTIL

Estudo realizado na Eastern Virginia Medical School, nos EUA, e publicado na revista médica Clinical Pediatrics, concluiu que do total estudado – cerca de cem adolescentes e crianças -, um pouco mais de 50% apresentava sobrepeso ou obesidade antes dos dois anos. Mais: 90% deles tinham sinais de obesidade antes dos cinco anos, enquanto cerca de 25% estava acima do peso com apenas cinco meses de idade.

Embora os motivos para o excesso de peso na infância e adolescência ainda não sejam conhecidos, os especialistas afirmam que dieta inadequada, a introdução de alimentos a bebês (com açúcar, gorduras etc) e falta de exercício seriam alguns fatores importantes para explicar o quadro.

O coordenador do estudo, John Harrington, comentou que “fazer com que pais e crianças mudem hábitos arraigados é um desafio monumental, repleto de decepções”. Segundo ele, “o estudo indica que pode ser necessário discutir ganho de peso inadequado no início da infância para que haja uma redução significativa na atual tendência de obesidade”.

terça-feira, 15 de março de 2011

CURSO DE BALÃO INTRAGASTRICO PARA NUTRICIONISTAS.

OLÁ GALERA A ALLERGAN ESTÁ OFERNCENDO UM CURSO PARA NUTRICIONISTA.



http://www.bandaebalao.com.br/eventos/

sexta-feira, 4 de março de 2011

Anvisa propõe banir medicamentos que inibem o apetite

No dia 16 de fevereiro de 2011 a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) tornou pública a intenção de cancelar o registro dos medicamentos que contém sibutramina e anorexígenos anfetamínicos (anfepramona, femproporex e mazindol). Esses medicamentos antiobesidade atuam no sistema nervoso central para inibir o apetite e, segundo a agência, devem ser retirados do mercado brasileiro devido aos altos riscos à saúde.

A Anvisa alerta que existe grande potencial de uso abusivo dessas substâncias, mesmo com as advertências sobre seus riscos. Em nota, o diretor-presidente em exercício da Anvisa, Dirceu Barbano, explicou: “Não existem evidências científicas sobre o valor da utilização dessas substâncias em longo prazo. Seu consumo elevado no Brasil pode demonstrar que suas indicações clínicas e seu acesso, em farmácias de manipulação e drogarias, estão muito distantes das preconizadas pela Organização Mundial da Saúde e pelos órgãos sanitários”.

A proibição destes medicamentos está baseada no parecer da Câmara Técnica de Medicamentos (Cateme), publicada em 26 de outubro de 2010. O documento apresenta argumentos de que a sibutramina apresenta baixo coeficiente de efetividade de redução de peso e pouca manutenção de redução de peso em longo prazo, e que os medicamentos anorexígenos apresentam graves riscos cardiopulmonares e para o sistema nervoso central. Portanto, o órgão recomenda o cancelamento destes medicamentos por considerar que os riscos superam seus benefícios.

No entanto, a Associação para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) e a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) mostraram-se contrárias à retirada desses medicamentos do mercado. A presidente da ABESO, Rosana Bento Radominski, esclarece que “as mudanças de estilo de vida, alimentação e atividade física são os pilares de um bom tratamento da obesidade, mas nem sempre são suficientes para evitar a progressão da doença”. “O uso criterioso de medicações antiobesidade claramente contribui para a melhora da saúde dos pacientes, auxiliando-os na perda de peso e reduzindo o aparecimento das complicações”, explica.

O presidente da SBEM, Ricardo Meirelles, afirmou que “a SBEM é contra o uso indiscriminado desses medicamentos, mas considera que bani-los deixaria uma significativa parcela de pacientes com obesidade desassistidos”.

No dia 23 de fevereiro, médicos e farmacêuticos se reuniram em audiência pública com a Anvisa para discutir e questionar a proposta de retirar os inibidores de apetite do mercado brasileiro. A decisão da Anvisa deverá sair até o final de março.

quinta-feira, 3 de março de 2011

14 DICAS PARA O CARNAVAL.

1. Antes de ir ao baile é melhor comer uma massa com molho de tomate, um sanduíche com frios magros ou uma barra de cereais.
2. Evite bebidas alcoólicas.
3. Tome muita água.
4. Faça refeições leves (consuma menos gordura) para repor a energia sem causar peso no estômago.
5. Se consumir bebidas alcoólicas, sempre com moderação. Para cada dose de bebida alcoólica tome dois copos de água sem gás ou suco de fruta diluído em água para manter-se sempre hidratado e economizar algumas calorias.
6. Evite os repositores hidroeletrolíticos e as bebidas energéticas, pois são bebidas calóricas.
7. Consuma muito líquido, mantenha-se hidratado.
8. Durante a folia coma barra de cereais, frutas secas que repõem a energia e contém potássio para ajudar na contração muscular.
9. Para matar a sede evite os refrigerantes, por serem gasosos, dão uma sensação de estômago cheio e você bebe menos líquido do que deveria.
10. Evite alimentos ricos em gordura (batata frita, amendoim e outros) que são vendidos em bares e restaurantes.
11. Ao chegar em casa, tome um café-da-manhã antes de deitar. Dessa forma, você acorda mais disposto e sem aquela fome.
12. Não esqueça de comer as porções de carboidratos recomendados (pão, arroz, batata,...). Assim não vai faltar energia para você cair na folia.
13. Em caso de excesso, assim que o carnaval terminar, faça uma compensação de calorias e tome muito líquidos.
14. Caia na folia. Sambar por 3 horas queima de 500 a 600 kcal.