quinta-feira, 30 de julho de 2009

OBESIDADE JUVENIL


A obesidade é uma doença multifatorial complexa, que se associa a outros fatores de risco cardiovascular como hipertensão arterial, dislipidemias, diabetes mellitus, entre outros problemas. Caracteriza-se por excesso de tecido adiposo, e ocorre pelo balanço energético positivo de forma crônica, isto é, comer mais do que gasta.


Nos últimos anos, observa-se um aumento significativo na prevalência da obesidade juvenil. Um estudo realizado em todo território canadense mostrou que houve um aumento acentuado na prevalência do sobrepeso e da obesidade juvenil entre 1981 e 1996. Esse rápido aumento ocorreu também nos países da Europa Ocidental e em países de regiões como a América Latina, Sudoeste Asiático e África, locais onde as crianças são, tradicionalmente, desnutridas.


As causas da atual epidemia da obesidade juvenil não são claras. Há três causas possíveis: mutações genéticas, aumento da ingestão calórica e redução do gasto energético.
Sabe-se que a redução no tempo gasto em atividades físicas e o aumento desse em atividades sedentárias como assistir televisão e brincar com jogos no computador são fatores importantes. Em estudo realizado com mais de 4000 crianças e jovens com idade entre 8-16 anos, que participaram da pesquisa nacional (NHANES III) observou-se que a prevalência da obesidade era mais elevada entre aqueles que assistiam TV por, pelo menos, quatro horas/dia e mais baixa entre aqueles que faziam isso por, no máximo, uma hora/dia.


O tratamento não farmacológico da obesidade por meio da dieta hipocalórica e com baixa quantidade em gorduras associadas à atividade física regular constitui a base do tratamento para a diminuição dos riscos de doenças cardiovasculares em indivíduos obesos.


Os principais efeitos do treinamento físico referem-se às adaptações metabólicas que favorecem o controle dos fatores de risco de doença cardiovascular. Pode-se dizer que a prática regular de exercício físico, apesar de não provocar perda de peso corporal tão intensa quanto a dieta hipocalórica, preserva a massa magra, atenua expressivamente outros fatores de risco cardiovascular e evita o reganho de peso.


O exercício físico adiciona um déficit calórico sinérgico à dieta hipocalórica, que produz equilíbrio energético negativo expressivo com efetiva redução da massa corporal, potencializando a diminuição da mesma. Além disso, o exercício auxilia na manutenção da massa corporal após um período de dieta hipocalórica.


Entretanto, deve-se perceber que a conduta adequada para tratar a obesidade juvenil também deve incluir mudanças na dieta e no comportamento, tanto dos jovens, como dos seus pais.


terça-feira, 28 de julho de 2009

GASTO CALORICO POR ATIVIDADES

Gasto de Calorias com Exercícios:

Aeróbica moderada 566
Andar 5 km/h 222
Basquete competição 630
Bicicleta fixa 377
Corrida 10 km/h 638
Futebol competição 500
Ginástica 306
Ginástica leve 171
Golfe (andar) 285
Patinação 498
Escalada montanha 500
Trotear à cavalo 468
Nado crawl 666 Skate 316
Surf 342 Tênis Simples 315
Volei 234
Gastos de Calorias com Atividades Não Programadas
Carpintaria 318
Fazer compras 270
Comendo sentado 96
Cozinhar 210
Datilografia 144
Dormir 60
Dançar rock 230
Cortar grama 516
Ficar parado 120
Limpeza geral 288
Lavar roupa 282
Passar roupa 126
Pescaria 264 Subir/descer escada 660
Tocar piano 150
Pular corda 612
Tricô 84
Varrer 168

Fonte: http://www.hcnet.usp.br/ipq/prato/nutricao/nt3.htm

ORIENTAÇÕES PARA COLESTEROL.


Cuidados Básicos:

- Fazer de 4 a 6 refeições por dia, não ficando muito tempo sem se alimentar.

-Mastigar bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e estimular sua saciação. -Procurar manter seu peso dentro da faixa ideal, para diminuir o risco de ter problemas cardiovasculares.

-Fazer atividade física regular durante no mínimo 30 minutos por dia.


PREFIRA:

- Leite desnatado, requeijão light, ricota, queijo branco;

- Cereais integrais, como: pão, bolacha, arroz, macarrão;

- Procure ingerir leguminosas diariamente: feijão preto, grão de bico, soja, lentilha, ervilha;

- Enriquecer sua dieta com produtos que contêm boa quantidade de fibras como: cereais integrais, verduras cruas, legumes, feijão e frutas - Prefira óleo de canola, soja e azeite de oliva;

- Coma alimentos antioxidantes como: laranja, kiwi, limão, alho, couve-flor, brócolis e cenoura.

- Carne bovina magra (coxão-duro e patinho), peito de frango, peru ou chester sem pele.

- Não comer mais que 3 ovos por semana sempre que possível pode-se substituir as carne por outro alimento rico em proteínas ex.: soja.


EVITE:

- Evite os alimentos que contêm gorduras saturadas (gorduras frequentemente encontradas em produtos de origem animal);

- Margarina, manteiga, creme de leite, queijos cremosos e amarelos (prato, parmesão, mussarela), nata de leite, gordura hidrogenada, banha animal, óleo e leite de coco;

- Bacon, toucinho, lingüiças, salame, presunto gordo, mortadela;

- Peles de aves, rim, fígado e coração;

- Produtos industrializados congelados (empanados e hambúrguer);

- Pães doces com cremes, biscoitos recheados, amanteigados;

- Cremes chantilly, maionese; - Doces como: tortas, balas, chocolates, bolos;

- Refrigerantes e bebida alcoólicas.


ESSAS ORIENTÇÕES NÃO SUBISTITUEM UMA DIETA COM UM NUTRICIONISTA.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

ATUM FRESCO GRELHADO


Ingredientes:
2 postas grandes de atum fresco
2 colheres de sopa de azeite
2 ramos de salsa
4 fatias médias de limão
Sal a gosto

Modo de preparo:
pincele as postas de atum com o azeite de oliva e salpique com sal toda a superfície,
coloque em cada uma delas um ramo de salsa e 2 fatias de limão deixe tomar gosto durante 2 horas fim do o tempo disponha o atum numa frigideira antiaderente e leve ao fogo deixe grelhar durante 10 minutos, virando-as na metade do cozimento retire assim que o peixe estiver cozido

retirado de http://www.tudogostoso.com.br/

terça-feira, 21 de julho de 2009

ORIENTAÇOES PARA CRIANÇAS NÃO GANHAREM PESO.




Faça das refeições momentos agradáveis. Coma devagar saboreando os alimentos;

Respeite os horários das refeições (comer a cada 3 horas);

Faça de 5 a 6 refeições por dia, sendo elas em pequenas quantidades(principalmente café da manhã, almoço e jantar);

Caso pular refeições coma ao menos 1 fruta ou 1 iogurte.

Não ingerir grandes quantidades de alimentos em uma mesma refeição;

Diminua o óleo na hora de preparar e temperar os alimentos;

Evite frituras e alimentos gordurosos; seus filhos não necessitam disso ;

Tome pelo menos 2 litros de água por dia (leve sempre uma garrafa pequena de água) ;

Alterne carnes vermelhas (bovino ou porco) com carnes brancas
(frango, peru ou peixe). Retire a pele e gorduras visíveis antes de preparar os alimentos;

Coma ao menos 1 vez por semana peixe;

Use pouco sal (não deixe o saleiro na mesa);

Varie a alimentação (principalmente frutas e vegetais);

Mastigue pelo menos 20 vezes cada garfada do alimento;

Coma pelo menos 3 frutas por dia (use-as como sobremesas e ou lanches entre as refeições).

Sempre que comer massas ingerir junto vegetais folhosos ( alface, espinafre, rúcula,couve)

Prepare junto com o arroz e feijão alguns tipos de legumes (exemplo: chuchu, abobrinha, cenoura) fazendo com que as crianças percebam a variedade de cores – isso vai incentiva-lás a comerem maior variedade de alimentos.

Crianças comem apenas o que compramos, por essa razão é seu dever comprar e comer alimentos saudáveis.

Se seu filho não o vê comendo frutas e verduras nas quantidades necessárias, eles também não as comerão.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Pesquisa reforça papel de gene 'vilão' da obesidade


Uma nova pesquisa realizada por cientistas britânicos reforça o papel de um gene, o FTO, como o "vilão" da obesidade.


No estudo, divulgado na publicação científica Journal of Obesity, os cientistas ofereceram a 131 crianças com idade de quatro ou cinco anos um prato de biscoitos salgados e doces uma hora depois de uma refeição completa. Os resultados indicam que as crianças com uma ou duas variantes do FTO eram mais propensas a comer os biscoitos, apesar de possivelmente estarem saciadas pelos alimentos ingeridos na refeição. "Acreditamos que nossa pesquisa esclarece um pouco mais sobre como algumas crianças respondem melhor aos sinais dados pelo corpo quando já estão saciadas", disse Jane Wardle, autora do estudo. Segundo ela, a pesquisa sugere que algumas crianças não sabem quando parar de comer, o que pode levar à obesidade e causar problemas de saúde. "Saber mais sobre os genes é o primeiro passo para reduzir esses efeitos negativos", afirmou.


Os pesquisadores da University College (UCL), em Londres, já realizaram antes estudos sobre a relação entre o gene e a obesidade. Em uma pesquisa publicada em julho de 2008, os cientistas sugeriram que crianças com duas cópias do FTO têm mais dificuldades de saber a hora de parar de comer.Além disso, em novembro, pesquisadores da Universidade de Dundee, na Escócia, publicaram um estudo no qual indicam que uma variante do gene que está presente em 63% da população influencia os hábitos alimentares de uma pessoa fazendo com que ela consuma alimentos mais calóricos. A obesidade está relacionada a diversos problemas de saúde, como doenças cardíacas, diabetes e vários tipos de câncer. Estimativas sugerem que cerca de 25% das mortes causadas por câncer são relacionadas à obesidade e a dietas pobres. Sara Hiom, porta-voz da ONG britânica Cancer Research UK, que trabalha com pesquisas sobre a doença, alerta, no entanto, que nem todas as crianças que possuem uma ou duas variantes do gene FTO irão comer em excesso. "Outros fatores são importantes também, como os hábitos alimentares dois pais e o tipo de comida disponível em casa", disse.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

ORIENTAÇÕES PARA PERDA DE PESO


- Faça das refeições momentos agradáveis. Coma devagar saboreando
os alimentos;

- Evite comer sem olhar para a refeição;

- Respeite os horários das refeições (comer a cada 3 horas);

- Faça de 5 a 6 refeições por dia, sendo elas em pequenas quantidades(principalmente café da manhã, almoço e jantar);

- Caso pular refeições coma ao menos 1 barra de cereal ou 1 fruta ou 1 iogurte.

- Não ingerir grandes quantidades de alimentos em uma mesma refeição;

- Diminua o óleo na hora de preparar e temperar os alimentos;

- Evite frituras e alimentos gordurosos;

- Tome pelo menos 2 litros de água por dia (leve sempre uma garrafa pequena de água) ;

- Use adoçante no lugar do açúcar;

- Alterne carnes vermelhas (bovino ou porco) com carnes brancas
(frango, peru ou peixe). Retire a pele e gorduras visíveis antes de preparar os alimentos;

- Coma ao menos 1 vez por semana peixe;

- Use pouco sal (não deixe o saleiro na mesa);

- Varie a alimentação (principalmente frutas e vegetais);

- Evite bebida alcoólica;

- Evite o cigarro;

- Mastigue pelo menos 20 vezes cada garfada do alimento;

- Coma pelo menos 3 frutas por dia (use-as como sobremesas e ou lanches entre as refeições).

- Nunca pratique exercícios sem se alimentar; (ao menos coma 1 fruta, 1 barra de cereal,1 copo de suco, 1 hora antes de começar).

terça-feira, 14 de julho de 2009

Após redução do estômago, 64% voltam a ser obesos


HC de São Paulo constatou ainda casos de alcoolismo, queda de cabelo e dentes quebradiços .A telefonista Marta Aparecida Pereira, 45, precisava emagrecer. Aos 35 anos, com 1,70 m, pesava 180 kg. Tinha dificuldades para andar e estava com sérios problemas de pressão. Fez a cirurgia de redução de estômago em 1996 com a esperança de chegar ao peso ideal. Além de a cirurgia não ter tido o efeito necessário, Marta passou a sofrer com vários reflexos pós-cirúrgicos.
Em primeiro lugar, Marta não atingiu o peso ideal e continua obesa. Hoje, pesa 120 kg. Também desenvolveu osteoporose nos joelhos, teve queda de cabelo e seus dentes começaram a quebrar e a apresentar cáries.

Ela é apenas um exemplo de um universo de pacientes que desenvolvem distúrbios ainda pouco explicados depois da cirurgia. Um levantamento feito pelo Hospital das Clínicas de São Paulo, com pessoas que reduziram o estômago há mais de cinco anos, revelou alguns reflexos que estão preocupando os especialistas.
De acordo com o cirurgião Bruno Zilberstein, chefe do setor de Obesidade Mórbida do HC, um grupo de 53 pessoas que fez a cirurgia há mais de cinco anos foi estudado. Desse número, 64,15% voltaram a ser obesos, com IMC (índice de massa corpórea) superior a 40, e 13% voltaram a apresentar obesidade mórbida.
Após a cirurgia, espera-se que o paciente emagreça a quantidade almejada e volte a engordar, no máximo, dez quilos. Somente 7,84% deles mantiveram o peso. Houve casos de pessoas que se endividaram comprando coisas sem necessidade porque não conseguiam mais comer e 18% se envolveram com álcool. "Eles passaram a aproveitar o benefício social de emagrecimento e começaram a beber excessivamente", diz a psicóloga Marlene Monteiro.
Segundo a dentista do HC Vera Lúcia Kogler, 80% estavam com os dentes quebradiços e 60% se queixaram do aumento no número de cáries. "Acreditamos que haja uma descalcificação dos dentes porque o paciente deixa de ingerir alimentos fundamentais."
A queda de cabelo, constatada em alguns casos, também tem relação com a alimentação inadequada. Pelo menos 120 mulheres operadas procuraram o Instituto do Cabelo, em São Paulo. "Como há pouca absorção de nutrientes fundamentais para o folículo capilar, por exemplo, a vitamina B, as células capilares não se multiplicam de maneira saudável e o cabelo pára de nascer", explica o geneticista e tricologista (especialista em cabelos) Luciano Barsanti.O cirurgião Nilton Kawahara, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica, afirmou que, apesar de a amostragem ser restrita, os números preocupam. As conseqüências pós-cirúrgicas esperadas, segundo ele, seriam alguns casos de anemia, osteoporose e enfraquecimento das unhas. "Geralmente, os pacientes não fazem o acompanhamento correto depois da operação. Acham que só a cirurgia basta. Por isso estamos buscando alternativas para corrigir esses problemas e tratar essas pessoas."
materia retirada de :http://www.sanavita.com.br/padrao.aspx?texto.aspx?idcontent=870&idContentSection=285

segunda-feira, 6 de julho de 2009

MULHERES OBESAS TEM MENOS CHANCES DE ENGRAVIDAR.


A obesidade já é vista como uma epidemia mundial. O excesso de peso tem impacto considerável em diversos setores da saúde, inclusive na fertilidade. O potencial reprodutivo pode ser reduzido por diversos fatores, entre eles a obesidade. A obesidade tem efeito prejudicial na qualidade dos óvulos, reduz as taxas de fertilização e implantação e aumenta as chances de aborto. Foi realizado um estudo que avaliou a influência do IMC, alimentação e prática de atividade física nas taxas de fertilização, a implantação e gestação em 489 pacientes.

Os grupos foram classificados de acordo com o IMC: normal (IMC entre 19,0-24,9 kg/m2, n = 313) e sobrepeso-obesidade (IMC ≥ 25 kg/m2, n = 99).

No grupo com IMC maior, a taxa de fertilização foi menor e as chances de aborto aumentaram em quase duas vezes. Quando as pacientes foram avaliadas conforme a idade, detectou-se uma queda significativa tanto na taxa de fertilização quanto nos resultados de implantação do embrião no útero das mulheres com mais de 35 anos.

O estudo também apontou que as pacientes consumidoras de refrigerante à base de cola, mesmo com idade até 35 anos, têm duas vezes menos chance de engravidar.Já com relação à atividade física, o médico Assumpto Iaconelli Júnior, um dos coordenadores do estudo, destaca a influência positiva dos exercícios para o tratamento de infertilidade. “Registramos um crescimento nas taxas de implantação dos embriões e nas chances de gestação, além de redução do risco de aborto nas pacientes que praticavam alguma atividade física.”


Referência(s).

Abeso – Associação Brasielira para o Estudo da Obesidade. Excesso de Peso Pode Comprometer Fertilidade. Disponível em http://www.abeso.org.br/reportagens/excesso_peso_pode_comprometer_fertilidade.htm. Acessada em 18/03/2009.Moura MD, Carneiro MM, Reis RM. Análise crítica da injeçäo intracitoplasmática de espermatozóides (ICSI). Reprod. clim. 1998;13(4):209-13.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

COMO FAZER O CALDO E A SOPA PASTOSA APÓS CIRURGIA DE ESTOMAGO.


- ESCOLHAS OS LEGUMES-EXEMPLO: CENOURA, CHUCHU E ABOBRINHA.
- PIQUE OS LEGUMES EM PEDAÇOS BEM PEQUENOS-APROXIMADAMENTE DO TAMANHO DE UMA UVA.
- PIQUE O TIPO DE PROTEINA ESCOLHIDA EM PEDAÇOS IGUAIS AOS LEGUMES-EXEMPLO: CARNE MOIDA, PEIXE DESFIADO OU FRANGO DESFIADO.
- COLOQUE AGUA NA PANELA JUNTO COM SAL, CEBOLA E ALHO-NÃO USAR ÓLEO.
- APÓS A FERVURA-SEPARAR UM RECIPIENTE DESSE LIQUIDO, PODE SER QUE SUA SOPA FIQUE MUITO GROSSA- SE ISSO OCORRER ADICIONE ESSA AGUA TEMPERADA PARA DILUI-LÁ.
- COLOCAR OS LEGUMES E O PROTEICO- EXEMPLO- CARNE MOIDA.
- APÓS 30 MINUTOS LIQUIDIFICAR A SOPA.
APÓS LIQUIDIFICÁ-LA, VERIFICAR SE ELA ESTA EM CONSISTENCIA BEM LIQUIDA E PENEIRAR 2 VEZES. (USAR PENEIRA BEM FINA) .

CALDO: MESMO APÓS PENEIRAR ACRESCENTAR A AGUA QUE ESTAVA TEMPERADA - SUA SOPA SERÁ UM CALDO E NÃO PASTOSA.
- INGERIR A QUANTIDADE PRESCIRTA.